I PRÊMIO FLIBO DE LITERATURA - RESULTADO FINAL





Resultado do Concurso de Minicontos
Flibo – 2017
Comissão julgadora: Bruno Ribeiro, Letícia Palmeira e Tonho França

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO
Foram selecionados 30 minicontos, divididos em duas categorias: Nacionais e locais.
Os textos selecionados foram analisados de acordo com o gênero textual miniconto. Descartados, então, todos que fugiram ao que é necessário para a estrutura de uma narrativa curta. Segue a lista de selecionados e suas colocações.

NACIONAIS

1 - ALICE E A CARTOMANTE
Na esperança de aplacar sua angústia, Alice decidiu procurar uma cartomante. A sábia mulher botou as cartas. Pensou. Analisou. Por fim, disse simplesmente: não se preocupe, minha filha. Vai passar! (Vito Cesar de Oliveira Manzolillo - RJ) 1º Lugar

2 - MIUDEZAS
No Neruda, que ela nunca leu, a primeira carta de amor. Na carta todos os erros gramaticais, ortográficos e sintáticos, marcados de vermelho. No canto superior a nota: MELHORAR NO ESTILO. (Renan Augusto Oliveira de Carvalho - RJ) 2º Lugar

3 - A metade e o vácuo
A melancolia penetra o quarto. Os olhos de Pedro despertos, observam o vácuo daquele cômodo. O vulto de sua metade correu e saltou da janela. Pedro viu sua metade morrer. Amputado! Era mágoa inteira. (Cristiane Vieira de Farias - SP) 3º Lugar

4 - seu quarto, em cima da vitrola, os discos de Chico Buarque. As canções que ouvia com sua amada. Põe o disco a girar, sobe no banco e pendurado pelo pescoço, lembra-se de quando era um guri. (EVANDRO DOS SANTOS ROCHA - RJ)

5 - Vai trabalhar vagabundo
"Não se afobe não que nada é pra já." Cantarolou o garçom diante da impaciência do cliente. (Eduardo Leite Martins - RJ)   

6 - Liberdade
Livrar-se da falsidade humana, agir por instinto como animal. O símbolo da Terra: o pássaro. Jogou-se do parapeito. Por 30 metros abriu as asas imaginárias e libertou-se da vida. (Beatriz de Santana Almeida - SP)

7 - Posta-Restante
Todos os dias ser o escafandrista que encontrará o amor tão amável que está a milênios no ar. (Ana Lucia Silva - SP)

8 - A garota sai do buraco no pilar do viaduto com um bebê no colo. A assistente social vê a raiva no olhar dela e silencia. Deus lhe pague, ela diz, desaparecendo novamente atrás do cobertor esburacado que faz as vezes de porta. (Sara Maria Binatti dos Anjos - RS)

9 - A Beleza Encarnada
Devota-se ao seu culto diariamente. À usança, ora três vezes ao dia. O que sai de sua boca,– assim o crê –, é o que lhe contamina. Sua crença é a beleza encarnada. Sua fé está num deus de porcelana. (Frederico Rocha de Oliveira Raimundo - RJ)

10 - Apneia
O mergulho, mergulho. Salto de cabeça nos teus dias de mar profundo. Sobre a mesa, um vinho intocado. Atrás da porta, o eco, nossos corpos e um verso de Chico arrebentando os vitrais. (Paulo Ras - PR)

11 – Beco
Na cidade sem memória, a puta do beco não era mais visitada. Mas seu dente de ouro bruxuleava. (Wladimir Moreira Santos - MG)

12 - Gente Humilde
Rui beijou sua mulher antes de sair. Num momento de descuido escorregou e caiu agonizante na estrada.
Muita gente buzinava, enquanto os colegas observavam a cena do 3º andar de um prédio em CONSTRUÇÃO. (Lucêmio Lopes da Anunciação - RS)


14 - Poesia para um amor Finito
Desembrulha o pacote e reconhece o presente. Na dedicatória: “Li várias vezes. A saudade foi um castigo, mas não quero levá-la comigo. Adeus!”. Desorientado, fecha o Neruda. (Rebeca Bulcão da Silva - RS)

15 - As mulheres de Atenas reagiram aos desmandos dos maridos. Aristófanes já havia avisado. Chico abriu um sorriso satisfeito. (IGOR MOREIRA MORAES - DF)

LOCAIS/REGIONAIS

1 - Quem é essa mulher?
Sobre o banco rasgado do lotação, Juliano acabou por deixar missiva enorme. Manuscrita, rabiscada em três páginas e embrulhada no papel da fome que tinha por ela. (JOSAFÁ PAULINO DE LIMA - Campina Grande – PB) 1º Lugar

2 - Apenas Guardarei
Guardarei para sempre em minha mente, que já fostes a princesa que coroei; já me fizestes herói e rei. Apenas guardarei, pois fugistes no mundo, me fizestes de louco e acabaste com meu faz de conta. (Ana Gabriela de Oliveira Monteiro - Boqueirão – PB) 2º Lugar

3 - Desde o último século
Madrugada fria, sábado do ano de 1999, no quarto de uma maternidade, ali cessava-se mais uma pequena vida. Ainda hoje, a saudade é arrumar o quarto do filho que já morreu. (Maria Gabriely dos Santos Camelo - São Domingos do Cariri – PB) 3º Lugar

4 - Dádiva
Não era nada pessoal. Estavam acostumados a uma vida triste e incolor, mas a mesma os presenteou com uma dádiva: A banda, que trouxe a melodia e a alegria. Depois foi embora num piscar de olhos. (Ana Clara Aires Barros - Boqueirão – PB)

5 - Soldados loucos
Só me dei conta quando estava voltando para o hotel, exausto e sozinho, que nem toda noite é noitada, vi soldados fardados e armados loucos para atirarem, rigorosos e exaustos, naquele dia de luto. (Joaquim Pereira de Freitas Neto - Boqueirão – PB)

6 - "Of course", relinchou o cavalo. João encaixou seu reinado na cabeça e galopou além do quintal atrás da princesa. Durante noites vagou, encontrou nada além de aventuras. (Marcelo Soares de Lima - João Pessoa – PB)

7 - A dor de ser alguém
As marcas do corpo firmavam na alma. Seu riso se perdia entre as lágrimas, mas ninguém via. Às vezes até sentia que a possuía, mas vinha alguém e a roubava de si. Era ela mais uma entre tantas Genis. (Débora Cândido de Oliveira  - João Pessoa – PB)

8 - A magia de um livro
Era uma vez um livro, que guardava uma grande magia: a imaginação. Nesse livro moravam de reis a heróis. Por isso muitos queriam prender esse livro, e como o tempo, acabavam perdendo-o dentro de si. (Livia Nayara Nóbrega de Melo - Boqueirão – PB)

9 - Julgada pelo seu coração
Geni tinha um coração bom e por já ter namorado bastante sempre foi julgada até a cidade entrar em risco e só ela poderia ajudar, acabou cedendo ao Zepelim salvando todos da destruição. (Pedro Henrique do Nascimento Almeida - São Domingos do Cariri – PB)

10 - A aparência
Tudo parecia triste, mas ao ver aquela multidão se aproximando a alegria havia tomado conta daquela gente, porém a banda se foi e tudo voltou a ser como era antes. (Luiza Emilly Barbosa De Oliveira - Boqueirão – PB)

11 - O bailarino do vento
Ele subiu no ar! Dançou a vida intensamente, como se o último baile fosse. Do alto do palco feito de cimento armado, tropeçou. O bailarino do vento como uma pena flutuou. Centelhou o céu sua alma, seu corpo atrapalhando a dança do dia, ficou. (Carlos Alves Vieira - Uiraúna – PB)

12 - (Des)ordem
A banda passou. Tudo tomou seu lugar: ficou tudo tão desarrumado! (Fernanda Karyne de Oliveira - Campina Grande – PB)

13 - Construção
Os olhos dela correram para a janela. Algo caiu. Podia ser um pássaro, mas aquilo no chão tinha braços e pernas, apesar de mais parecer um pacote flácido que gente. Foi gente. A construção ia atrasar. (Gael Rodrigues - Itabaiana – PB)

14 - Os gritos que não se escuta
O silêncio ensurdecedor estremece os prédios desta cidade; que o cálice de vinho sangrento e as pessoas mudas que não se mudam, transformem-se em jovens loucos por liberdade... (Thaissa Rafaela Tavares de Brito - Boqueirão – PB)

15 - Murcha a planta-passado, cai o fruto-história. Tenho apenas uma passagem para o meu futuro: Ela pediu uma flor de lembrança, contei memórias à terra... (Guilherme Morais Régis de Lucena - Campina Grande – PB)

BOQUEIRÃO, 18 DE AGOSTO DE 2017.

Comentários

  1. Estava eu todo tristonho por não ter sido classificado. Relendo meu texto, percebi que ele extrapolou o limite de caracteres, agora estou chateado pela minha falta de atenção rs.
    Parabéns aos escolhidos, excelentes microcontos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anderson, onde está postado o resultado dos minicontos? Grata
      silvanadelacio@hotmail.com

      Excluir
  2. Nem acredito que fiquei em terceiro lugar na categoria Nacional. Muito obrigada pelo espaço e pela oportunidade!

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de saber se a premiação já foi determinada, se receberemos certificado...

    ResponderExcluir
  4. Vai toma no cu caralho vão se fude filhos da putaaaaaaa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Inscrições Encerradas!

I PRÊMIO FLIBO DE LITERATURA